Alexandre Soares dos Santos morreu esta sexta-feira aos 84 anos.

Fonte da família disse à Lusa que as cerimónias fúnebres serão “reservadas à família, por vontade expressa” de Alexandre Soares dos Santos, fundador do grupo Jerónimo Martins.

Haverá um momento público de homenagem em data a anunciar”, adiantou a fonte.

Marcelo Rebelo de Sousa publicou uma nota de condolências na página oficial da Presidência.

O Presidente da República evoca a personalidade singular de Alexandre Soares dos Santos e o seu relevante papel na vida económica, social e cultural portuguesa, e, pessoalmente consternado, apresenta à família muito sentidas condolências”.

Nasceu a 23 de setembro de 1934 na cidade do Porto. Soares dos Santos frequentou o curso de Direito na Faculdade de Direito de Lisboa, que abandonou em 1957, para iniciar a sua carreira profissional, após um convite da multinacional Unilever.

Nesta empresa passou por várias delegações e filiais no estrangeiro.

Em 1968, regressou a Portugal para assumir a liderança da Jerónimo Martins, que pelas suas mãos passou de uma empresa de pequena dimensão a um dos maiores grupos empresariais portugueses.

O empresário ampliou os negócios e fez crescer a empresa da família, lançou a marca Pingo Doce, colocou o grupo em Bolsa e expandiu-o internacionalmente, em 1995, para o Brasil e Polónia.

Em 2009, criou a Fundação Francisco Manuel dos Santos, que gere o portal “Pordata”, Base de Dados do Portugal Contemporâneo, e lançou uma coleção de livros de ensaio, a preços reduzidos, sobre temas da atualidade.

Soares dos Santos foi líder do grupo Jerónimo Martins durante 46 anos. Em dezembro de 2013 deixou a presidência do Conselho de Administração do grupo que detém a cadeia de supermercados Pingo Doce, sendo substituído no cargo pelo filho, Pedro Soares dos Santos.

A revista Forbes elegeu Alexandre Soares dos Santos o homem mais rico em Portugal durante vários anos.

Foi agraciado com os graus de Grande-Oficial da Ordem Civil do Mérito Agrícola, Industrial e Comercial - Classe Industrial, Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique, Grã-Cruz da Ordem do Mérito e Grã-Cruz da Ordem do Mérito Empresarial - Classe do Mérito Comercial, tendo, neste último, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, destacado o seu lado de "responsabilidade social" e o papel como servidor da comunidade.