O biólogo José de Almeida Fernandes morreu hoje aos 87 anos, deixando um legado na conservação da natureza reconhecido ainda hoje na Liga de Proteção da Natureza, a que presidiu.

A notícia da morte de José de Almeida Fernandes foi avançada hoje pelo jornal 'online' Observador.

O dirigente da LPN Jorge Palmeirim, atualmente na comissão de gestão da organização, disse à agência Lusa que José de Almeida Fernandes viveu a "investir nas gerações futuras" e deu "um enorme impulso ao movimento ambientalista na sociedade portuguesa.

Jorge Palmeirim lembrou que José de Almeida Fernandes o convidou para a direção da LPN no fim da década de 1970, quando ainda estudava na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, onde hoje é professor.

Convidou o que poderia ser considerado um miúdo para a direção da Liga", salientou, referindo que Almeida Fernandes sempre privilegiou o envolvimento de toda a sociedade nas questões da conservação".

Enquanto gestor de instituições públicas - como o Instituto de Conservação da Natureza e o Instituto de Promoção Ambiental - teve "um grande impacto na educação ambiental", acrescentou.

Quando partilharam funções na direção da LPN, José de Almeida Fernandes destacou-se como "uma pessoa invulgar, de trato agradável", cujo impacto se fez sentir em todo o setor da conservação do ambiente.

José de Almeida Fernandes recebeu da Confederação Portuguesa das Associações de Defesa do Ambiente em 2010 o prémio Carreira Fernando Pereira.

Era pai do jornalista José Manuel Fernandes, 'publisher' do Observador e ex-diretor do diário Público.