A obesidade é um dos grandes problemas de saúde deste século. Um quarto dos cidadãos sofre de obesidade nos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), que alerta que 92 milhões de vidas estão em risco por causa desta doença.

Em apenas seis anos, mais de 50 milhões de pessoas tornaram-se obesas. 

A OCDE divulgou um relatório a propósito do Dia Mundial da Obesidade, que se assinala esta sexta-feira, que dá pelo nome precisamente de "Pesado Fardo da Obesidade" nas sociedades e economias de 52 países.

A doença custa anos de vida e custa 385 mil milhões de euros anualmente. Defende por isso que a prevenção é essencial para salvar vidas e para evitar as perdas económicas da obesidade, que estimam custar uma média de 3,3% dos produtos internos brutos todos os anos.

A obesidade, embora muitas vezes não seja pelas pessoas encarada como doença, na realidade é uma doença que tem muitos custos a longo prazo", afirmou Luísa Raimundo, da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo, que esteve presente no Diário da Manhã desta sexta-feira. 

A Organização alega que cada dólar gasto na prevenção da obesidade gera um retorno económico seis vezes superior.

No caso de Portugal, Luísa Raimundo disse que a obesidade infaltil é um problema, principalmente entre as crianças que frequentam o primeiro ciclo do ensino básico. 

A obesidade infantil em Portugal é um problema, porque, de acordo com os resultados que saíram de 2019, 29% das crianças do primeiro ciclo do ensino básico, têm excesso de peso ou obesidade".

A especialista alertou que o nosso país tem uma taxa significativa "de obesidade muito grave" e que, por isso mesmo, é preciso alertar os pais,