A Proteção Civil informou este domingo que o incêndio que começou em Oleiros e alastrou aos concelhos de Proença-a-Nova e Sertã fez seis feridos, dois deles graves, um morto - o bombeiro que morreu após o despiste de uma viatura. Uma pessoa também teve de ser assistida.

Num briefing aos jornalistas, pelas 10:00, o comandante Distrital de Operações de Socorro de Castelo Branco, Luís Belo Costa, disse que "há várias aldeias na linha de propagação do incêndio", mas que "todos os esforços estão mobilizados para proteger essas povoações".

Não é fácil prever em quanto tempo vamos dominar este incândio", vincou.

Algumas habitações foram atingidas pelas chamas, mas as autoridades ainda não têm o levantamento feito.

Houve pessoas que foram deslocadas das suas habitações. (...) Na sua maioria, já regressaram às suas habitações."

Belo Costa explicou que este incêndio "teve uma propagação violentíssima desde o início" e que, por causa das muitas projeções, ainda não foi possível dominar o incêndio, que já atingiu "uma área considerável".

A propagação do fogo foi descrita como "algo errante", uma vez que começou por levar o fogo numa determinada direção, no sentido de Proença-a-Nova, mas "a determinada a altura o vento virou, deitando por terra a estratégia de combate que estava definida". O vento virou "e levou a frente de incêndio no sentido do concelho da Sertã", sendo ainda esta a direção de propagação do incêndio.

A estratégia da Proteção Civil passa agora por "tentar, num intervalo de oportunidade que são umas escassas quatro horas", até cerca das 12, "conter todo o flanco esquerdo" porque a essa hora o vento vai virar novamente.

Mais de 700 operacionais, apoiados por mais de 200 veículos e 14 meios aéreos combatem, neste domingo, o incêndio que começou no sábado em Oleiros.

O presidente da Câmara Municipal de Oleiros, Fernando Marques Jorge, afirmou, na emissão da TVI24, que a situação neste município está mais calma em relação a ontem, mas que o mesmo cenário não se verifica nos concelhos vizinhos da Sertã e de Proença-a-Nova.

A informação que tenho é que nestes dois concelhos, a situação está muito complicada", salientou.

No âmbito deste incêndio um bombeiro de 21 anos morreu quando seguia numa viatura que se despistou. O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o primeiro-ministro, António Costa, lamentaram a morte do bombeiro, que pertencia à corporação de Proença-a-Nova.

Sofia Santana / atualizada às 11:04