destruído por um incêndio







"Já cá tivemos 10.000 pessoas ao mesmo tempo, o que não é sustentável em termos de estacionamento, hotelaria e capacidade dos restaurantes, onde chega a esgotar-se a carne. Com a nova plataforma, as pessoas indicam em que dia querem vir ao Paiva, fazem a inscrição e, com um código de barras no telemóvel ou outro mecanismo eletrónico assim simples, passam com ele nos controlos que vamos instalar em cada entrada, para assim validarem o acesso"




"Queremos esperar por uma ou duas das grandes chuvadas, porque, depois de o fogo ter limpado a zona, as pedras podem soltar-se e resvalar para o passadiço, e queremos minimizar esse risco"