O número de casos de infeção pelo novo coronavírus na Unidade de Cuidados Continuados Integrados do Hospital da Santa Casa da Misericórdia de Lousada, subiu de 16 para 18, anunciou hoje a instituição.

Em comunicado, a Santa Casa da Misericórdia de Lousada afirma que após a realização de testes, foram identificados 18 casos positivos de covid-19, sendo que 12 dos 29 utentes testaram positivo, bem como seis dos 14 profissionais.

Segundo a instituição, alguns utentes com resultado inicial negativo, encontram-se a aguardar resultado de novo teste por “terem iniciado sintomatologia”.

Dos 12 utentes infetados, dois acabaram por ser transferidos para o “hospital de referência” por apresentarem sintomatologia, afirma a Santa Casa da Misericórdia, assegurando que os restantes utentes se encontram com “um quadro clínico estabilizado”.

Ao longo do dia ocorreram reuniões de articulação com as entidades competentes, com o objetivo de garantir o melhor acompanhamento e segurança dos doentes e profissionais da Unidade de Cuidados Continuados da instituição”, lê-se na nota.

A Santa Casa da Misericórdia de Lousada acrescenta ainda que nas reuniões ficou decidido transferir os utentes que testaram positivo para “uma nova ala de internamento” do Hospital de Lousada, que foi recentemente construída e garante “um maior isolamento entre grupos”, bem como um acompanhamento “mais dedicado”.

Hoje, fonte da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-Norte) revelou, em declarações à Lusa, que 11 dos 29 utentes da instituição testaram positivo, bem como cinco dos 14 profissionais de saúde, sendo que todos os profissionais e utentes foram testados.

O surto iniciou-se na segunda-feira, depois de um funcionário da instituição ter testado positivo para a covid-19, acrescentou a fonte da ARS-Norte.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 863.679 mortos e infetou mais de 26 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.829 pessoas das 59.051 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

 
/ BC