A taxa de transmissibilidade da Covid-19 em Portugal tem vindo sempre a descer, afirmou hoje a ministra da Saúde.

Na conferência de imprensa de acompanhamento da pandemia, Marta Temido afirmou que entre 23 e 27 julho, o índice de transmissão da doença, o chamado Rt, foi estimado em 0,94, podendo situar-se numa amplitude entre 0,93 e 0,96.

O número de novos casos a cada geração da doença [capacidade média de cada nova infeção gerar novos casos] está num decréscimo paulatino a nível nacional”, indicou a ministra.

Atualmente, há 381 pessoas internadas, 280 das quais nas unidades da administração regional de saúde de Lisboa e Vale do Tejo, 41 das quais em cuidados intensivos (27 na região de Lisboa).

Marta Temido referiu que continuam ativos no país 194 surtos: 47 na região Norte, 12 na região Centro, 106 na região de Lisboa e Vale do Tejo, 14 no Alentejo e 15 no Algarve.

As autoridades de saúde consideram um surto ativo até 28 dias – o equivalente a dois períodos de incubação - depois do caso mais recente registado.

Professores poderão ser prioritários na vacina da gripe por idade ou doença

Os professores poderão ser prioritários para receber a vacina da gripe se tiverem mais de 65 anos ou alguma doença que seja fator de risco para a Covid-19, admitiu a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas.

Graça Freitas frisou que as primeiras prioridades para receber os dois milhões de vacinas que Portugal garantiu para a época da gripe sazonal serão utentes de lares e profissionais de saúde.

A avaliação de quem deve receber primeiro a vacina assenta em “critérios de risco” e os mais vulneráveis são sempre prioritários, declarou.

Nos últimos sete dias, registaram-se 13,4 novos casos por cada 100 mil habitantes e nos últimos 14 dias, a taxa de incidência situou-se em 29,1 novos casos por 100 mil habitantes.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 667 mil mortos e infetou mais de 17 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.727 pessoas das 50.868 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

/ BC - atualizada às 16:40