Cerca de 9.500 vacinas contra a covid-19 já foram ministradas no concelho alentejano de Odemira, anunciou hoje a autarquia, indicando que “quase” a totalidade da população com mais de 60 anos já recebeu a primeira toma.

Em comunicado enviado à agência Lusa, o município do distrito de Beja explica que “no espaço de uma semana” foram ministradas “quase 6 mil vacinas”, sendo que “2.035 cidadãos” já têm a segunda dose inoculada.

Nos próximos dias vai ser continuado o esforço de vacinar o maior número possível de habitantes, no mais curto espaço de tempo, e assim aumentar a proteção da comunidade contra a doença”, pode ler-se no documento.

A autarquia recorda que o reforço da campanha de vacinação é uma das suas “reivindicações”, sendo que a vacinação no concelho foi “reforçada” com o apoio de “oito militares” do Exército.

Até à primeira quinzena de maio, pretende-se que mais de 40% da população esteja vacinada. Nos próximos dias será iniciada no concelho a vacinação à população com mais de 50 anos”, acrescenta.

A Câmara de Odemira relembra ainda que “todos os cidadãos com mais de 65 anos” podem efetuar o auto agendamento para a vacina, através do endereço de Internet: https://covid19.min-saude.pt/pedido-de-agendamento .

Os cidadãos sem acesso à Internet poderão dirigir-se ao balcão único do município de Odemira, sendo este atendimento “sem marcação prévia” e “por ordem de chegada”.

O Governo decidiu decretar uma cerca sanitária às freguesias de São Teotónio e de Almograve, no concelho de Odemira, devido à elevada incidência de casos de covid-19, sobretudo em trabalhadores do setor agrícola.

Na quinta-feira, em conferência de imprensa após a reunião do Conselho de Ministros, o primeiro-ministro, António Costa, sublinhou que "alguma população vive em situações de insalubridade habitacional inadmissível, com hipersobrelotação das habitações", relatando situações de "risco enorme para a saúde pública, para além de uma violação gritante dos direitos humanos".

Na segunda-feira, o presidente da Câmara de Odemira, José Alberto Guerreiro, estimou que “no mínimo seis mil” dos 13 mil trabalhadores agrícolas do concelho, permanentes e temporários, “não têm condições de habitabilidade”.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.214.644 mortos no mundo, resultantes de mais de 153,4 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 16.977 pessoas dos 837.457 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

. / LF