Com o inverno à porta, adivinha-se já a chegada das gripes sazonais e das constipações. Este ano, soma-se a pandemia de covid-19. As três doenças apresentam sintomas que as diferem e outros comuns, mas com prevalência diferente em cada uma delas.

Com o arranque do ano escolar e o regresso às casas de muitos portugueses das doenças comuns das crianças, adensa-se a ansiedade de muitos pais. Há sintomas da covid-19 que, no caso das crianças, são semelhantes às famosas gastroenterites que afetam muitas delas.

A confluência das doenças, sendo que se antevê um possível pico de covid-19 para breve, leva também alguns especialistas a temerem o afluxo de doentes às urgências, que pode colocar à prova os serviços de Saúde.

Como se pode, então, distinguir uma simples constipação de uma gripe ou mesmo de um caso positivo de covid-19?

O Governo australiano elaborou uma tabela de prevalência dos sintomas nas duas doenças mais comuns no tempo frio, a que se junta agora a covid-19. A tabela, que tem sido amplamente replicada, foi elaborada com base e dados disponibilizados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelo Centro de Controlo de Prevenção de Doenças (CDC).

Da análise desta tabela, tiramos que a febre é um sintoma comum à gripe e à covid-19, mas não tem prevalência na constipação. O mesmo acontece com as dores no corpo, por exemplo, que são frequentes na gripe, surgem relatados em alguns casos de covid-19, mas, à partida, não aparecem em quem tem uma simples constipação.

Já a falta de ar surge apenas, à partida, em quem está infetado com o novo coronavírus e desenvolveu a doença.

Confundimos muitas vezes a constipação e a gripe sazonal e, excluindo o novo coronavírus da equação, esta tabela ajuda-nos a distingui-las. Sabemos, por exemplo, que os espirros não são um sintoma de gripe e que o corrimento nasal é mais comum na constipação. Se há muitos espirros e muito corrimento nasal será apenas uma constipação.

Voltando a adicionar a infeção pelo novo coronavírus às contas e olhando de novo para a tabela, ficamos a saber que os espirros não são sintoma de covid-19 e que o corrimento nasal é um sintoma raro.

Assim, que sintomas esperar de uma infeção por covid-19?

De acordo com o Centro de Controlo de Prevenção de Doenças, os pacientes infetados com covid-19 têm apresentado uma ampla variedade de sintomas, que podem ir da sua forma mais leve (praticamente assintomáticos) até uma manifestação severa.

  • Febre
  • Calafrios
  • Falta de ar ou dificuldades respiratórias
  • Fadiga ou cansaço
  • Dores musculares
  • Dores no corpo
  • Dores de cabeça
  • Perda de paladar ou olfacto
  • Dor de garganta
  • Congestão ou corrimento nasal
  • Desconfortos gástricos como náuseas ou vómitos
  • Diarreia

Os sintomas podem aparecer entre dois a 14 dias após a exposição ao vírus.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 80% dos pacientes recuperam da infeção sem necessidade de tratamento hospitalar. Um em cada cinco infetados apresentam uma forma da doença mais grave, incluindo sintomas mais severos, como dificuldade em respirar.

Embora possa acontecer com qualquer paciente, os idosos e os chamados doentes de risco (doentes com hipertensão, com diabetes, problemas cardíacos, pulmonares ou cancro) correm maior risco de desenvolver uma forma grave da doença.

Que sinais me devem levar a procurar ajuda médica?

Pessoas de todas as idades que apresentam febre e/ou tosse, associadas a dificuldade para respirar, falta de ar, dor ou pressão no peito ou perda de capacidades como a fala ou movimentos devem procurar atendimento médico imediatamente.

Sempre que possível, é recomendado ligar primeiro para a Linha Saúde 24 (800 24 24 24), para que o paciente seja devidamente encaminhado.  

Outras característricas que ajudam a distinguir a covid-19 das outras doenças

A avaliação clínica dos sintomas é a principal e mais fiável forma de distinguir as três doenças. Contudo, há outras características que ajudam o cidadão comum na tarefa.

  • Sazonalidade – A gripe e constipação são mais comuns no tempo frio. Já a covid-19 não apresenta, nos estudos conhecidos e nos dados apresentados diariamente, qualquer padrão de sazonalidade.
  • Contágio – Qualquer uma das três doenças é contagiosa e qualquer pessoa pode contagiar outra, mesmo sem apresentar sintomas. Em qualquer um dos casos, um portador do vírus pode contagiar outro nos dois dias anteriores às primeiras queixas. O período de contágio pode prolongar-se de 7 dias (gripe) até 10 dias (COVID-19).
  • Gravidade - A COVID-19 é mais grave nas pessoais mais idosas e com doenças crónicas. As crianças e jovens são frequentemente assintomáticos.

Quais os sintomas/sinais da gripe?

A Direção Geral de Saúde (DGS) ajuda a responder à questão, distinguindo as manifestações da doença nos adultos e nas crianças.

Assim, no adulto, é de esperar:

  • Súbito mal-estar
  • Febre alta
  • Dores musculares e nas articulações
  • Dores de cabeça
  • Tosse seca
  • Ocasionalmente inflamação dos olhos

Nas crianças, os sintomas variam consoante a idade. Em crianças acima dos três anos, os sintomas são comuns aos dos adultos.

Nos bebés, podemos esperar:

  • Febre e prostração (mais comuns)
  • Náuseas, vómitos e diarreias (frequentes)
  • Sintomas respiratórios, como laringite ou bronquiolite (frequentes)
  • Otite média (complicação frequente nas crianças até três anos)

Como identificar uma simples constipação?

Ainda de acordo com a DGS, “ao contrário da gripe, os sintomas/sinais da constipação são limitados às vias respiratórias superiores”:

  • Congestão nasal
  • Espirros
  • Olhos húmidos
  • Irritação da garganta
  • Dor de cabeça

Na constipação, raramente ocorre febre alta ou dores no corpo. Além disso, os sintomas e sinais da constipação surgem de forma gradual, enquanto que na gripe o inicio é súbito. 

Quais as diferenças no tratamento das três doenças

Na maioria dos casos, qualquer uma delas é tratada apenas com medicamentos para aliviar os sintomas. Os antivíricos disponíveis para tratar a gripe têm uma baixa eficácia e são apenas administrados a doentes com casos graves de infeção, que requerem internamentos hospitalares.

Para a covid-19, não existe, até ao momento, nenhum antivírico aprovado.

Os antibióticos não têm eficácia contra os vírus. Apenas são usados quando alguma destas doenças se complica e degenera numa infeção bacteriana (problema mais comum na gripe do que na constipação).

No caso da gripe sazonal, há vacina preventiva, que deve ser administrada anualmente. No caso das constipações não há vacina. No caso da covid-19, há notícia de várias vacinas em desenvolvimento, mas nenhuma previsão concreta de colocação no mercado de nenhuma delas.

Manuela Micael