O Serviço Nacional de Saúde já está a transferir doentes com covid-19 para os hospitais privados. 

Segundo o jornal Público, o Hospital Escola da Universidade Fernando Pessoa, em Gondomar, recebeu dez doentes do Hospital de Penafiel, que está com dificuldades em conseguir dar resposta à elevada afluência de doentes registada nos últimos dias. 
 
O Hospital Fernando Pessoa, que não pertence à Associação Portuguesa de Hospitalização Privada, já tinha um acordo com o Centro Hospitalar Tâmega e Sousa . Na semana passada, a Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte decidiu acionar a convenção que existe desde abril para o encaminhamento de doentes com covid-19.
 
Ao jornal Público, a ARS Norte confirma o envio dos primeiros dez doentes, adiantando que mais alguns pacientes deverão seguir ainda esta semana para a unidade privada, que tem capacidade para receber mais duas dezenas.

Ontem, terça-feira, o presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP), Óscar Gaspar, reiterou a disponibilidade dos hospitais privados em dar resposta à pandemia da covid-19 e a outras doenças, realçando a "relação inexistente" com o Governo.

Depois de uma audiência com o Presidente da República, o dirigente  disse "reiterar a disponibilidade" dos hospitais privados na "resposta aos problemas da covid-19" e às restantes "necessidades de saúde", defendendo que "os portugueses precisam de uma resposta mais ampla", envolvendo os setores público e privado, e que essa "colaboração era eficaz".

Segundo Óscar Gaspar, o plano apresentado pela Direção-Geral da Saúde (DGS) para o outono-inverno apresenta "falhas", uma vez que dá "ênfase ao setor público".

O presidente da APHP assinalou que, em agosto e setembro, os hospitais privados, aos quais as pessoas "estão a recorrer mais", conseguiram "dar resposta" aos doentes não-covid-19 e "aliviar o Serviço Nacional de Saúde" (SNS).

Na segunda-feira, a ministra da Saúde, Marta Temido, afirmou que os doentes não-covid-19 que vejam consultas, exames ou cirurgias no SNS serem desmarcados face ao agravamento da pandemia serão encaminhados para os setores privado e social.

Redação / BC