É a única ambulância pediátrica no Algarve e não está operacional desde as 20:00 de segunda-feira. Não há médico pediatra para assegurar este serviço e assim se prevê que continue até ao final da próxima semana. 

Não é a primeira vez que esta situação acontece. A já reconhecida falta de pediatras no Centro Hospitalar Universitário do Algarve tem deixado a ambulância sem condições para ser acionada. Assim foi durante vários dias no último verão e no final do ano passado.

Quando esta viatura não está operacional, a alternativa é o transporte noutras ambulâncias, que não dispõem do mesmo equipamento diferenciado. É que esta viatura é especializada no transporte de recém-nascidos e crianças em estado crítico entre unidades de saúde. Para que possa funcionar, é necessária uma equipa com um médico, um enfermeiro e um técnico de emergência pré-hospitalar.

Cada ambulância destas custa ao INEM cerca de 175 mil euros por ano, mas o hospital nem sempre tem conseguido assegurar o serviço por falta de pediatras. 

A TVI questionou o Centro Hospitalar Universitário do Algarve e o INEM. Nenhum respondeu em tempo útil.