O Sindicato dos Médicos da Zona Sul denunciou hoje que os centros de Saúde de Almada e Seixal estão a pôr em causa a qualidade de assistência pediátrica, ao atenderem crianças reencaminhadas do Hospital Garcia de Orta.

Em comunicado, o sindicato explicou que, devido à “incapacidade” do Hospital Garcia de Orta em assegurar as escalas de serviço da urgência pediátrica, a direção do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) de Almada e Seixal decidiu que, a partir de 8 de abril, as crianças triadas como verde e azul “serão reencaminhadas para os centros de saúde” do concelho, no distrito de Setúbal.

Contudo, na visão Sindicato dos Médicos da Zona Sul, não é aceitável que sejam os enfermeiros das unidades de saúde a “avaliar e orientar grande parte das situações de doença aguda”.

Trata-se de um intolerável ataque à qualidade dos cuidados prestados às crianças e jovens, privando-os da devida observação pelos médicos, que são os profissionais que detêm as competências técnico-científicas necessárias à avaliação e orientação clínica”, afirmou.

Por este motivo, o sindicato lamentou a decisão deste ACES e criticou a administração do Hospital Garcia de Orta, por não estar a ser capaz de “impedir a sangria de médicos pediatras”.

Esta mesma administração hospitalar não tem sequer cumprido com os pagamentos aos médicos de medicina geral e familiar da escala do serviço de urgência, confirmando-se uma total falta de respeito pelos profissionais e pelos utentes”, denunciou.

Na semana passada, a Ordem dos Médicos tinha alertado para o “cenário muito grave” da urgência pediátrica do Hospital Garcia de Orta, avisando que o serviço poderá encerrar alguns dias ou em alguns períodos do mês de abril.

Nesta sequência, a administração do Garcia de Orta garantiu estarem a ser tomadas medidas para colmatar a falta de médicos na urgência pediátrica, como a contratação de dois especialistas e a colaboração de pediatras de outros hospitais.

Urgência pediátrica do Garcia de Orta em risco de fechar a partir de 13 de abril

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) advertiu hoje que a urgência pediátrica do Hospital Garcia de Orta, em Almada, no distrito de Setúbal, está em “risco de encerrar” a partir de 13 de abril, devido à “falta de médicos”.

O motivo desta alarmante possibilidade deve-se à falta de médicos na instituição, desconhecendo-se que haja um plano de encaminhamento alternativo das cerca de 130 crianças que recorrem diariamente a estes serviços”, informou o SEP, em comunicado.

Por este motivo, o sindicato considerou que, a partir de 13 de abril, as crianças dos concelhos de Almada e do Seixal estão em risco de ficar sem recurso à urgência pediátrica deste hospital.

Segundo a nota enviada, os enfermeiros do Garcia de Orta “têm manifestado preocupação”, não só na qualidade de profissionais, mas também como utentes, uma vez que grande parte “reside nos concelhos abrangidos”.

É inadmissível que o conselho de Administração e a tutela não encontrem uma solução definitiva para este problema, que consubstancia um desinvestimento numa instituição de referência na margem sul do Tejo, com prejuízos elevados para as populações/utentes abrangidas”, frisou.