Os três suspeitos da morte do filho de um ex-PJ durante uma tentativa de assalto no Campo Grande, em Lisboa, em dezembro, disseram à Polícia Judiciária que foi Pedro Fonseca que se espetou na faca, sabe a TVI.

Presentes a primeiro interrogatório judicial para aplicação das medidas de coação, os jovens de 16, 17 e 20 anos ficaram em prisão preventiva. O menor de 17 anos, principal suspeito, está indiciado por homicídio e roubo agravado, enquanto os outros dois vão responder apenas por roubo.

Os três suspeitos confessaram o homicídio de Pedro Fonseca, o jovem de 24 anos, filho de um inspetor-chefe da PJ na reforma, que foi assassinado há pouco mais de uma semana, na noite de 28 de dezembro, junto à Faculdade de Ciências de Lisboa, no Campo Grande, em Lisboa.

A confissão aconteceu depois de várias diligências realizadas na manhã de segunda-feira, com buscas que aconteceram nas zonas de Queluz e da Amadora, onde foi possível intercetar os três indivíduos de origem guineense.

Os suspeitos foram identificados com base em testemunhos, nomeadamente de vítimas de outro roubo que cometeram pouco antes, na mesma zona, e pela análise das câmaras de vídeovigilância da estação de metro do Areeiro e até do interior de uma carruagem. 

Nessas imagens surge o suspeito de ter desferido os golpes mortais de faca na vítima, que resistiu ao assalto quando saía de um restaurante da cadeia McDonald's e foi abordado ao chegar ao carro. O jovem que golpeou Pedro Fonseca, de 17 anos, é mais alto que os outros dois, vestia calças brancas, ténis pretos e usava um boné, sinais distintivos que permitiram identificá-lo pelas câmaras do metro minutos depois do crime, cometido quando já passava das 23:00.

Os três suspeitos fugiram a pé do local em momentos diferentes. Primeiro o autor dos golpes mortais (dois golpes de uma arma branca de elevadas dimensões, segundo a PJ); depois os dois cúmplices do homicida, que respondem em coautoria. Estes ainda voltaram atrás para tentar perceber qual era o estado de saúde da vítima, mas quando as equipas de socorro do INEM chegaram ao local também já tinham desaparecido. Foram hoje os três apanhados numa operação da secção de homicídios da PJ, em articulação com o DIAP de Lisboa.

Na sequência das diligências realizadas, a Polícia Judiciária apreendeu não só "a arma utilizada nos factos delituosos", como também "uma quantidade de produto estupefaciente, nomeadamente cocaína, superior a cinquenta doses individuais".

A Polícia Judiciária indicou, ainda, em comunicado, que "irá prosseguir a investigação, na qual irá, igualmente, esclarecer o eventual envolvimento dos suspeitos noutros crimes patrimoniais violentos".

Henrique Machado