O tribunal de São João Novo, no Porto, aplicou cinco anos e quatro meses de prisão a uma ex-tesoureira da Faculdade de Medicina Dentária daquela cidade por desviar cerca de 143 mil euros e simulação de roubo.

Em nota publicada hoje na sua página eletrónica, a Procuradoria do Porto informa ter ficado provado que a arguida se apropriou, em dois períodos distintos, de outubro a dezembro de 2014 e de janeiro a abril de 2015, de um total de 142.832,88 euros, referente a propinas, taxas e inscrições e a pagamentos de consultas realizadas na clínica dentária da faculdade.

Em julgamento ficou assente que a arguida devolveu, por depósitos bancários parte das quantias subtraídas, no total de 66.610,63 euros.

O tribunal deu ainda como provado que a arguida, para camuflar a sua atuação de apropriação, inseriu nos programas informáticos de registo dados que não correspondiam à verdade e que, numa segunda fase, assinalou informaticamente como reportados a datas contemporâneas dos recebimentos os depósitos bancários que efetuou a favor da Universidade do Porto a título de devolução de parte das quantias de que se apropriara”, refere a Procuradoria.

A mulher foi condenada por peculato, falsidade informática e simulação de crime.

Notícias da altura dos factos indicavam que parte dos valores em causa "desapareceram de dentro de uma pasta que estava em cima da secretária" da tesoureira, que foi suspensa por oito meses por "negligência grosseira".

Só dois anos depois, as autoridades confirmaram que se tratara de simulação do roubo e as razões por que tinha sido feito.