O pai e a madrasta de Valentina, a menina cujo corpo foi encontrado sem vida este domingo depois de ter sido dada como desaparecida, em Peniche, foram interrogados em separado durante toda a noite. 

A TVI sabe que foi o pai que acabou por confessar já ao início da manhã de domingo. O progenitor disse que foi um acidente e que, numa discussão com a filha, ela sofreu uma queda, bateu com a cabeça e morreu.

Depois, com a aflição, segundo ele, foram esconder o corpo.

O pai levou a Polícia Judiciária (PJ) ao corpo, que estava semienterrado num eucaliptal.

TVI sabe que a PJ não acredita em pancada. De resto, o teste do luminol (CSI) não deteta vestígios de sangue em casa. E o corpo tem marcas no pescoço, que são sinais aparentes de asfixia por estrangulamento.

A TVI sabe que o pai estava referenciado por algum consumo de droga e que a CCPJ tinha um processo aberto por causa do dia em que a criança saiu de casa do pai sozinha para ir ter a casa da mãe. Nessa ocasião, a menina foi encontrada na estrada por um agente da PSP.

Casal levado pela PJ para fazer reconstituição do crime

Sabemos ainda que o casal foi levado pela PJ, esta tarde, para fazer reconstituição do crime entre a casa onde moravam e o local onde deixaram o corpo. 

O pai encontra-se neste momento no interior da casa. 

A PJ informou este domingo que o corpo da menina de nove anos, dada como desaparecida desde quinta-feira, foi encontrado sem vida, este domingo, e que duas pessoas foram detidas por suspeitas no envolvimento da morte da criança.

A Polícia Judiciária, através do Departamento de Investigação Criminal de Leiria, esclareceu na manhã de hoje, as circunstâncias do desaparecimento de uma criança ocorrida na região de Peniche. Para o desenvolvimento da investigação foi essencial a estreita articulação com  a Guarda Nacional Republicana e com a Proteção Civil Distrital, tendo sido localizado o corpo da vítima já sem vida", lê-se no comunicado da PJ.

Henrique Machado / Atualizada às 16:47