O Tribunal de Braga aplicou prisão preventiva a um agente da GNR por alegada perseguição, injúria e difamação de uma juíza e dois procuradores do tribunal de Vila Verde, disse fonte judicial à Lusa.

Segundo a fonte, o agente, de 36 anos, foi conduzido à Casa de Reclusão Militar de Tomar.

A atuação do arguido terá tido origem em decisões do Tribunal de Vila Verde, num processo em que esteve envolvido, com as quais não concordou.

Desde então, o agente começou a criticar e a atacar os magistrados nas redes sociais, com palavras alegadamente injuriosas e num registo ameaçador.

Paralelamente, terá ainda passado a frequentar os julgamentos em que aqueles magistrados estavam envolvidos.

É suspeito de dezenas de crimes contra os referidos magistrados, entre perseguição, injúrias e difamação.

Foi detido na quinta-feira e hoje uma juíza de instrução criminal no Tribunal de Braga aplicou-lhe prisão preventiva.

O advogado do arguido já disse que vai recorrer para a Relação, por considerar excessiva a aplicação da medida de coação mais gravosa.

/ MJC