As buscas pelo pescador da ilha Terceira que está desaparecido desde segunda-feira foram retomadas hoje, apesar do mau tempo que se faz sentir nos Açores, com previsão de ondas de seis metros e rajadas de vento até 95 quilómetros por hora.

"Vamos retomar as buscas com os meios aéreos e navais disponíveis, apesar do agravamento do estado do tempo", garantiu hoje o capitão do Porto da Horta, Rafael da Silva, em declarações aos jornalistas.

A embarcação onde seguiam três pescadores naufragou na madrugada de segunda-feira, depois de se ter incendiado, a cerca de 10 milhas a sul da ilha Terceira e a cerca de 20 milhas a leste de São Jorge, já muito afastado da costa.

Na altura, um dos pescadores conseguiu nadar até à costa da ilha de São Jorge e alertar as autoridades, que iniciaram as buscas, na tentativa de encontrar os dois tripulantes que se encontravam desaparecidos.

Na manhã de quarta-feira, foi encontrado, já sem vida, o corpo do mestre da embarcação que naufragou, mas continua desaparecido o terceiro elemento da tripulação.

Nas buscas continuam envolvidos meios aéreos da Força Aérea, um navio patrulha oceânico da Marinha e duas embarcações da Polícia Marítima e da Estação Salva-vidas da Horta, apesar do aviso amarelo que o Instituto Português do Mar e da Atmosfera lançou para as ilhas do Grupo Central e Ocidental.

De acordo com as previsões meteorológicas, as ondas do mar poderão atingir os seis metros de altura e o vento poderá soprar com rajadas até 95 quilómetros por hora, acompanhado de precipitação forte.

O Serviço Regional de Proteção Civil dos Açores aconselha, perante estas condições climatéricas, que a população "não pratique atividades relacionadas com o mar, nomeadamente pesca desportiva, desportos náuticos ou passeios à beira mar"