Mais de três mil embarcações estão em perigo em Portugal, por «falta de meios de segurança capazes e eficazes», denunciou, esta segunda-feira, Honório Novo, após um mandato aberto sobre o sector das pescas, realizado na Póvoa de Varzim.

«O Governo deveria estar atento a esta problemática, mas não está a responder, o que faz com que a vida de milhares de pescadores esteja em perigo», lamentou o deputado do PCP, que descreve este cenário como «negro».

Honório Novo, acompanhado de outros deputados, como Jorge Machado e Agostinho Lopes, reuniu-se com várias associações e instituições ligadas à pesca, tendo reforçado a ideia de que ao nível da segurança «está quase tudo por fazer». «Muitas vidas se têm perdido mar e a zona da Póvoa e Vila do Conde, têm sido demasiado fustigadas. Se não se agir rápido, muitas outras se vão perder», apontou.

A Associação Pró-Maior Segurança dos Homens do Mar, com sede na Póvoa de Varzim, apresentou, este mês, uma candidatura que vista equipar de meios técnicos capazes, perto de 400 embarcações e formar milhares de pescadores.

Para Honório Novo este projecto é de «extrema importância», mas não chega, já que «ficam de fora milhares de barcos».

O deputado espera, agora, que o Governo seja «célere» na análise e aprovação desta candidatura, que envolve uma verba de mais de oito milhões de euros, comparticipada em 90 por cento a fundo perdido.