A PSP vai participar ao Ministério Público os factos ocorridos no sábado, 11 de setembro, quando dezenas de manifestantes negacionistas que protestavam junto à Assembleia da República com o mote "Pelas nossas crianças – Rumo à Liberdade", cercaram um restaurante onde Eduardo Ferro Rodrigues se encontrava a almoçar com a mulher, filmando e insultando o presidente da AR, revelou à TVI fonte da Polícia de Segurança Pública. 

À TVI24, a Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou a “instauração de inquérito que teve origem na participação dos factos por parte da PSP”, e que será da responsabilidade do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa.

Fonte do gabinete da segunda figura de Estado garante não ter havido incidentes de maior e, por isso, o presidente da AR não vai apresentar queixa às autoridades.

Num vídeo partilhado nas redes sociais, é possível ver Ferro Rodrigues a almoçar com a mulher, enquanto dezenas de manifestantes o insultavam, apelidando o presidente da AR de "assassino" e "ordinário". 

Uma das manifestantes, de megafone em punho, ameaçou ainda o restaurante onde o casal se encontrava, prometendo que "nunca mais nenhum cliente deste restaurante vai ter paz". 

João Guerreiro Rodrigues / Notícia atualizada às 19:30