Um militar da GNR foi detido pela Polícia Judiciária por suspeitas de corrupção. Segundo a operação "À La Carte", o guarda é suspeito de ter aproveitado as funções que exercia para dar cobertura a atividades criminosas como tráfico de droga.

O arguido será presente no Tribunal de Instrução Criminal do Porto para primeiro interrogatório judicial esta quinta-feira.

O comunicado da Polícia Judiciária do Porto fala em cinco crimes. Entre os quais, corrupção, burla qualificada, falsificação de documentos, acesso ilegítimo e violação de segredo de funcionário.

O militar do posto da GNR dos Carvalhos, em Vila Nova de Gaia, terá aproveitado as funções para dar cobertura a atividades criminosas como tráfico de droga.

Segundo as conclusões do inquérito titulado pelo DIAP do Porto, o arguido avisaria traficantes de operações iminentes. Terá aproveitado ainda o acesso ao sistema informático para ceder informações sensíveis, como dados pessoais de indivíduos e militares, e de carros pertencentes à GNR.

Além do militar, foram detidas três mulheres, entre os 32 e os 41 anos, suspeitas de terem levado a cabo um esquema de burla em que aliciavam homens casados para depois os chantagear com denúncias às esposas sobre relações extraconjugais. Um esquema que teria cobertura por parte do guarda detido.

Por toda esta atividade, o militar receberia milhares de euros em contrapartidas mas os valores não foram divulgados.