A Polícia judiciária (PJ) anunciou hoje a detenção de um homem suspeito da prática continuada de crimes de abusos sexuais a rapazes menores, na zona Norte, a quem ofereceria dinheiro em troca.

Em comunicado, a PJ, através da Diretoria do Norte, refere que o detido, de 43 anos, é suspeito de crimes de abuso sexual, pornografia de menores e recurso à prostituição de menores, ocorridos na zona Norte.

“No âmbito da investigação foram recolhidos fortes indícios de que o suspeito, de forma reiterada, junto de escolas, abordaria menores do sexo masculino, com idades compreendidas entre os 13 e os 17 anos, para com eles se relacionar sexualmente, a troco de contrapartidas monetárias”, esclarece a polícia.

A PJ acrescenta ainda que, após ganhar a confiança dos jovens menores, o detido convenci-os “a deslocarem-se para a sua casa onde, de modo dissimulado, filmava os contactos de natureza sexual”.

O detido, já com antecedentes criminais por crimes de natureza sexual contra menores, vai ser presente a primeiro interrogatório judicial para aplicação das medidas de coação tidas por adequadas.

Detido suspeito de aliciar menor em rede social

Também esta sexta-feira, a Polícia Judiciária de Aveiro anunciou a detenção de um homem suspeito dos crimes de pornografia, aliciamento de menores e coação agravada, dos quais foi vítima uma rapariga de 13 anos com quem se relacionou numa rede social.

Em comunicado, a Judiciária refere que o indivíduo, que se encontra imigrado, foi detido quando regressou a território nacional.

De acordo com a investigação, os factos remontam a março de 2016, quando o suspeito conheceu a menor, residente em Águeda, através da rede social Facebook.

Segundo a polícia, o arguido terá usado um perfil fictício no qual mencionava ter uma idade próxima da rapariga para desse modo "conquistar a sua confiança e facilitar o processo de sedução".

"A partir de então trocaram várias mensagens, no âmbito das quais ele a aliciou diversas vezes para encontro visando práticas sexuais, chegando mesmo a propor-lhe contrapartidas materiais para o efeito, tais como a oferta de um telemóvel (smartphone topo de gama) e dinheiro", refere a mesma nota.

A PJ diz que a menor não cedeu aos intentos do arguido, mas perante os seus pedidos "insistentes", acabaria por lhe enviar fotografias em tronco nu, adiantando que quando se recusou a continuar a enviar fotos, aquele ameaçou divulgar na Internet as que já tinha na posse.

Os investigadores identificaram entretanto outros perfis fictícios usados pelo suspeito na mesma rede social, "de forma predadora e com o mesmo ‘modus operandi’", pelo que a investigação vai prosseguir no sentido de apurar a existência de outras vítimas.

O detido vai ser presente a primeiro interrogatório judicial para aplicação das medidas de coação.