O Benfica abriu uma caça interna às bruxas para tentar perceber de que forma foi possível à Polícia Judiciária, de forma invisível, infiltrar-se no ninho das águias durante meses, em ações de vigilância em zonas VIP durante os jogos, sem que ninguém se apercebesse. 

Trata-se de inspetores da Unidade de Apoio Tecnológico da PJ, os chamados ‘fantasmas’, que sem se identificarem conseguiram aceder às garagens do estádio e camarotes do chamado anel VIP da Luz – montando escutas ambiente e fotografando a presença dos funcionários judiciais José Silva e Júlio Loureiro, o que fez prova para o conhecido processo ‘E-toupeira’.

Foi na garagem da Luz, recorde-se, que a PJ fotografou Paulo Gonçalves a presentear os oficiais de justiça alegadamente corrompidos com equipamentos do Benfica.

Em troca, ambos terão feito centenas de pesquisas informáticas no sistema dos tribunais para por o assessor jurídico dos encarnados a par de processos que correm na justiça contra as águias. Acabaram detidos em março de 2018, tal como Paulo Gonçalves, e estão já acusados pelo Ministério Público.

Entretanto, o Benfica não esqueceu internamente a falha de segurança que permitiu toda a ação da PJ, sabe a TVI, e na última semana foi conhecida a saída de Rui Pereira do Benfica, onde foi diretor de segurança e da organização de jogos nos últimos onze anos.

A extensão dos danos do caso ‘E-toupeira’ na reputação do Benfica ainda está por conhecer, pendente no tribunal da Relação de Lisboa, onde o juiz Rui Teixeira analisa a pretensão do Ministério Público em levar a SAD dos encarnados a julgamento por corrupção dos funcionários judiciais.