A Polícia Judiciária (PJ), em conjunto com a Unidad de Drogas y Crimen Organizado do Cuerpo Nacional de Policia de Espanha, apreendeu mais de cinco toneladas de cocaína num veleiro com cerca de 24 metros de comprimento, no Oceano Atlântico, que servia para o transporte de elevada quantidade de droga.

De acordo com informação avançada pela PJ, trata-se da maior apreensão deste tipo nos últimos 15 anos em Portugal, e uma das maiores realizadas na Europa.

Eram transportados um total de 183 fardos de cocaína com um peso bruto total estimado que ascende a cerca de 5,2 toneladas, tratando-se da maior apreensão deste tipo de estupefaciente realizada em Portugal nos últimos 15 anos e uma das maiores realizadas em toda a Europa", lê-se na nota enviada pela Polícia Judiciária, que dá conta que a droga se destinava a ser distribuída por diversos países europeus, entrando através das costas da Península Ibérica.

Da megaoperação resultaram ainda três detidos. Os homens, de nacionalidade estrangeira, são suspeitos de integrarem uma poderosa organização criminosa transnacional dedicada ao tráfico de grandes quantidades de cocaína entre a América Latina e a Europa.

Os detidos serão agora presentes a tribunal para conhecerem quais as medidas de coação tidas por adequadas.

A PJ informou ainda que a operação contou com o "apoio e participação do Maritime Analysis and Operations Centre – Norcotics (MAOC-N), com sede em Lisboa, da Drug Enforcement Administration (DEA) dos Estados Unidos da América e da National Crime Agency do Reino Unido."

Os três homens detidos num veleiro que transportava mais de 5,2 toneladas de cocaína, ao largo da costa portuguesa, são dois espanhóis e um peruano residente em Espanha, indicou um responsável da PJ.

Segundo Artur Vaz, diretor da Unidade de Combate ao Tráfico de Estupefacientes (UNCTE) da Polícia Judiciária (PJ), tratou-se da maior maior apreensão desta droga em Portugal nos últimos 15 anos, sendo igualmente a maior quantidade de cocaína alguma vez apreendida num único veleiro a nível mundial.

Um dos detidos, de nacionalidade espanhola, que já foi enviado juntamente com os restantes para interrogatório judicial no Tribunal de Instrução Criminal para imposição das medidas de coação, já tinha antecedentes criminais por tráfico de droga, referiu o mesmo diretor da UNCTE.

De acordo com o mesmo responsável, o veleiro, de 24 metros, estava registado em Espanha e a cocaína "não vinha especialmente dissimulada" nas várias divisões da embarcação. A droga terá vindo da América Latina com destino à Europa.