A Unidade Nacional Contra a Corrupção da Polícia Judiciária está a fazer buscas na Junta de Freguesia de Arroios. Ao que a TVI24 apurou, estão em causa crimes económicos e financeiros e também peculato.

A antiga presidente da junta de freguesia, Margarida Martins, foi constituída arguida, apurou a TVI, após a operação que decorreu nas instalações da freguesia, no largo do Intendente.

De acordo com o DIAP Regional de Lisboa, a Polícia Judiciária, através da Unidade Nacional de Combate à Corrupção, procedeu à execução de "dez mandados de busca, sendo três domiciliárias, e sete não domiciliárias, e realizou uma busca autorizada,  visando a recolha de documentação relacionada com suspeitas de práticas criminosas, sob investigação".

Em causa está a gestão da ex-autarca na freguesia lisboeta, que esteve no poder local de 2013 até este ano.


"No inquérito investigam-se factos suscetíveis de integrarem a prática de crimes cometidos no exercício de funções públicas, na Junta de Freguesia de Arroios, nomeadamente peculato, peculato de uso e participação económica em negócio", afirma o DIAP.


Num esclarecimento distribuído aos jornalistas, a Junta de Freguesia de Arroios recentemente empossada demarca-se do caso, dizendo que "as matérias da referida intervenção e apreensão são referentes a compromissos assumidos no decorrer dos anteriores mandatos".

A freguesia informa ainda que está a prestar todo o apoio à investigação.

Margarida Martins candidatou-se a um terceiro mandato em 26 de outubro, mas acabou por perder para a coligação Novos Tempos.

Luís Varela de Almeida António Assis Teixeira / Atualizada às 18:01