A Polícia Judiciária deteve a alegada líder de um grupo que se apropriou de pelo menos 50 mil euros, após aceder ao 'homebanking’ dos lesados, servindo-se de credenciais falsas, indicou esta a Diretoria do Norte daquela autoridade.

A mulher detida, de 39 anos e sem antecedentes criminais, está indiciada pela prática de pelo menos 10 crimes de burla, 15 de burla informática e 16 de falsidade.

De acordo com o apurado até ao momento pela investigação e referido em comunicado da Polícia Judiciária, a arguida liderava um grupo criminoso que “acedeu e subtraiu de diversas contas bancárias valores a rondar os 50 mil euros, servindo-se de credenciais falsas de acesso ao ‘homebanking’ dos lesados”.

Os agentes da polícia apreenderam correspondência desviada aos lesados e ficheiros informáticos, bem como mais de quatro mil registos com informações confidenciais de particulares e empresas.

A operação policial foi desenvolvida durante o dia de segunda-feira no Porto e nos concelhos contíguos de Matosinhos e Vila Nova de Gaia, a coberto de mandado judicial e no âmbito de um inquérito titulado pelo Departamento de Investigação e Ação Penal.

Ainda segundo o comunicado, a detida vai ser presente à competente autoridade judiciária para primeiro interrogatório judicial e aplicação das medidas de coação tidas por adequadas.

/ HCL