O Comando Metropolitano da PSP do Porto anunciou hoje a detenção de três pessoas que alegadamente de dedicavam ao tráfico de droga, burla e roubos na zona da baixa da cidade.

Os homens, de 29, 30 e 31 anos, com “relações familiares”, atuavam “em grupo”, durante o dia junto à estação de São Bento e à noite na zona das Galerias de Paris, no Porto, vendendo “telemóveis falsos” e recorrendo a “violência” quando as pessoas abordadas resistiam a comprá-los, ou “forçando” levantamentos em caixas multibanco, descreveu Afonso Costa, responsável da Divisão de Investigação Criminal da PSP.

De acordo com o comissário, a investigação iniciada “há cerca de um ano” permitiu relacionar a “prática de dez roubos e três burlas” com os suspeitos, que também vendiam “produto supostamente estupefaciente”, feito por eles “com colas, louro, malva” e outros produtos.

Afonso Costa explicou que os homens negociavam telemóveis, mas entregavam a quem os comprava “uma pedra ou tijolo com a dimensão e peso” de um telefone portátil.

“A abordagem era feita de forma individual, mas, dependendo da forma como corria, os outros dois membros do grupo podiam aparecer”, acrescentou.

Para além disso, “quando a abordagem às pessoas não corria como queriam, roubavam com alguma violência e, pelo menos num caso, forçaram uma pessoa a fazer um levantamento de 200 euros numa caixa multibanco”, descreveu.

O responsável disse também que, nas cinco buscas domiciliárias e uma não domiciliária que levaram à detenção dos suspeitos, a PSP apreendeu “um automóvel, sete gramas de cocaína, um dos telemóveis furtados, caixas e réplicas de telemóvel”.

Todos os suspeitos “têm antecedentes criminais”, acrescentou.

Em comunicado, a PSP referiu que “a Divisão de Investigação Criminal desencadeou uma operação policial que visou um conjunto de indivíduos que de forma organizada se dedicavam à venda direta de estupefacientes”, tendo realizado seis buscas.

De acordo com esta polícia, os três detidos são ainda suspeitos da “venda de louro prensado ou chá por estupefacientes, burla, vendendo placas de azulejo dentro de bolsas como se de telemóveis se tratassem e roubos, na área da baixa da cidade do Porto”.