Os três homens que fugiram, esta quinta-feira, do Tribunal de Instrução Criminal (TIC) do Porto não são desconhecidos das autoridades. Fernando e Emanuel Santos, irmãos gémeos, com 35 anos, e o cúmplice, Hugo Saraiva (conhecido como Shevchenko), com 25, já tinham antecedentes criminais.

Antes de fugirem, encontravam-se numa cela do TIC do Porto a aguardar transferência para a prisão de Custóias, depois de lhes ter sido aplicada a medida de coação mais grave por um juiz de instrução, prisão preventiva. Faziam parte de um grupo de cinco homens suspeitos de dezenas de assaltos na área metropolitana do Porto. Segundo disse, à TVI, o intendente da PSP,  Alexandre Coimbra, os outros dois cúmplices ficaram "foram colocados em liberdade com outras medidas de coação".

Veja também:

Os suspeitos tinham sido detidos na terça-feira, na zona de Rio Tinto, Gondomar, em flagrante delito, já depois de mais de 30 assaltos, que terão começado em fevereiro deste ano. Os roubos aconteceram na zona mais oriental da cidade do Porto e em concelhos periféricos, como Gondomar, Valongo e Maia. Os alvos destes homens eram maioritariamente idosos, que muitas vezes eram agredidos ao ponto de necessitarem de assistência hospitalar. Estes roubos terão rendido “mais de 500 mil euros”, segundo a PSP.

Os roubos terão começado em fevereiro e indiciámos já este grupo pela prática de pelo menos 30 assaltos, mas admitimos que possam ser mais. E o valor global dos roubos será de uns 500 mil euros, entre dinheiro e bens”, afirmou à agência Lusa o comissário Afonso Sousa, da Divisão de Investigação Criminal da PSP.

Entre os bens furtados estavam objetos em ouro e prata, peças que eram vendidas no mercado negro ou derretidas. Do grupo de cinco suspeitos, três eram executantes dos assaltos, dois eram recetadores de material.

Todos tinham antecedentes criminais, o que terá pesado na decisão do juiz para aplicar a medida de prisão preventiva. Um dos suspeitos cumpria uma pena de prisão suspensa, também por crime de roubo, outro estava a ser procurado no âmbito de um mandado de busca internacional por um crime cometido em França.

Como explicou, à TVI, o comissário da PSP, Afonso Sousa, as vítimas eram selecionadas pela avançada idade e “quase sempre” ameaçadas.

Faziam uma seleção das vítimas. Tinham sempre idades entre os 65 e os 95 anos ou algum problema de mobilidade. Recorriam a ameaças e muitas vezes à violência.”

 

Fugiram pela janela

A fuga terá acontecido num momento de distração do agente da PSP encarregue de vigiar os suspeitos, já depois de lhes ter sido aplicada a prisão preventiva e enquanto aguardavam o transporte que os ia levar para a prisão. Segundo o JN, um dos homens terá pedido para se despedir da namorada e terá aproveitado para furtar as chaves da cela ao agente. Os três suspeitos terão depois saído por uma janela do TIC.

A PSP já pediu ajuda às restantes autoridades nacionais para recapturarem os suspeitos, que, avisa, são “considerados perigosos” e podem estar "armados”.

As autoridades pedem a quem tenha informações da sua localização que as faça chegar "à Divisão de Investigação Criminal da PSP do Porto – 222046460 / bsp.dic.porto@psp.pt".

Élvio Carvalho / Notícia atualizada às 12:17