A Direção-Geral da Saúde (DGS) determinou a preparação de todo o sistema de saúde para a fase de mitigação da pandemia de Covid-19 ao abrigo de uma norma que entrou em vigor às 00:00 desta quinta-feira.

António Lacerda Sales, secretário de Estado da Saúde, disse esta quarta-feira que esta é a fase mais crítica e "exige de todos nós responsabilidades acrescidas".

Já Graça Freitas, diretora-geral da Saúde, admitiu que a mudança poderia "ter alguma turbulência".

 
  • O que diz a norma?

A norma fixa o modelo de abordagem da pessoa com suspeita de infeção ou com infeção por Covid-19.

 
  • A que entidades se aplica?

A norma é aplicável às unidades de todo o sistema de saúde, incluindo hospitais públicos e privados e centros de saúde.

 
  • O que diz a norma sobre os testes ao novo coronavírus que causa a doença Covid-19?

As pessoas com suspeita de infeção, isto é, que apresentam sintomas como febre, tosse persistente ou tosse crónica agravada e dificuldade respiratória, devem ser testadas.

Na presença destes sintomas, as pessoas devem ligar para a linha telefónica gratuita SNS 24 (808 24 24 24), que fará o encaminhamento dos casos.

 
  • Prioridade nos testes

Em caso de impossibilidade de testar toda a gente com suspeita de infeção, a DGS estabeleceu uma cadeia prioritária: primeiro, são os doentes com critérios de internamento hospitalar; segundo, os recém-nascidos e as grávidas; terceiro, os profissionais de saúde com sintomas.

Seguem-se os doentes com comorbidades (como asmáticos, insuficientes cardíacos, diabéticos, doentes hepáticos ou renais crónicos, pessoas com doença pulmonar obstrutiva crónica e doentes com cancro) ou pessoas com imunidade mais frágil; e as pessoas em situação de maior vulnerabilidade, como residentes em lares ou que estão em unidades de convalescença.

Por último, são testadas as pessoas em contacto próximo com estes doentes.

 
  • O que significa a fase de mitigação?

É a terceira e mais grave fase de resposta à doença Covid-19 e é ativada quando há transmissão local, em ambiente fechado, e/ou transmissão comunitária.

A resposta é focada na atenuação dos efeitos da covid-19 e na diminuição da sua propagação, minimizando nomeadamente a mortalidade associada.

Nesta fase, os doentes ligeiros ficam em casa, os moderados vão ao centro de saúde, os graves, mas não críticos, são encaminhados para os hospitais e os críticos são internados.

 

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou perto de 450 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 20.000.

Em Portugal, há 43 mortes, mais 10 do que na véspera (+30,3%), e 2.995 infeções confirmadas, segundo o balanço feito esta quarta-feira pela DGS, que regista 633 novos casos em relação a terça-feira (+26,8%).

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 2 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 2 de abril.

/ CE