São já 439 mil os jovens entre os 12 e os 17 anos que receberam a primeira dose da vacina contra a covid-19 em Portugal, num esforço de vacinação que tem sido feito sobretudo aos fins de semana, nomeadamente desde a recomendação da Direção-Geral de Saúde para vacinar as pessoas entre os 12 e os 15 anos.

Isso significa que, a duas semanas do arranque do ano letivo, 74% dos jovens elegíveis têm pelo menos uma dose, num universo de 572 mil jovens.

Apesar disso, e mesmo que o objetivo seja cumprido, há regras que se vão manter nas escolas, nomeadamente a utilização de máscara no interior da sala de aula para alunos acima do segundo ciclo.

Essa obrigatoriedade passa a recomendação para alunos do primeiro ciclo, estando as crianças com menos de cinco anos dispensadas do acessório.

Além disso, está previsto um plano de testagem em massa para docentes e funcionários (entre 6 e 17 de setembro), alunos do secundário (20 de setembro a 1 de outubro) e alunos do terceiro ciclo (4 a 15 de outubro).

Este é um passo importante rumo ao objetivo de ter 85% da vacinação totalmente vacinada, algo que se julga poder alcançar nas últimas semanas de setembro, e que será o marco para a última reabertura da sociedade portuguesa.

A vacinação nos mais acelera para que os jovens elegíveis tenham a vacinação completa até ao dia 19 de setembro, que marca o regresso às aulas.

A partir de dia 27 de agosto, os utentes poderão ser vacinados contra a covid-19 em qualquer centro de vacinação de Portugal Continental à sua escolha, bastando para isso recorrer ao sistema de senha digital da modalidade “Casa Aberta””, refere um comunicado da ‘task-force’ responsável pelo processo de vacinação.

Além desta novidade, passou também a ser possível escolher o centro de vacinação para a toma da segunda dose da vacina, mas essa opção tem de ser feita logo no dia em que se recebe a primeira dose da vacina.

Até agora, a vacinação sem marcação só era possível no centro de vacinação do concelho de residência dos utentes e a toma da segunda dose teria de ser no mesmo centro em que tivesse sido administrada a primeira.

Segundo o mesmo comunicado, aquelas alterações surgem na sequência daquilo que consideram ter sido o “decorrer muito positivo do processo de vacinação” e a maior disponibilidade dos centros de vacinação.

Uma vez que grande parte da população portuguesa elegível já se encontra vacinada, há uma maior disponibilidade nos vários centros de vacinação abertos ao momento”, justifica.

Os dados nacionais mais recentes indicam que Portugal tem já 72% da população com a vacinação completa e 80% com pelo menos uma dose de vacina contra a covid-19.

Nesta fase, a ‘task-force’ reforça o apelo para que todos os utentes elegíveis sejam vacinados “para sua proteção e da restante população, aproveitando as estruturas ainda implementadas”.

Cátia Esteves