Quase 90% das pontes da rede rodoviária de Portugal continental, gerida pela Infraestruturas de Portugal (IP), encontram-se em “bom” ou “muito bom” estado de conservação, tendo a empresa investido mais de 150 milhões de euros desde 2010.

“Os resultados da campanha inspetiva de 2016 revelam que 89,2% das obras de arte (pontes, viadutos, túneis ou passagens hidráulicas) apresentam um estado de conservação considerado de bom ou superior. Este é um dado que ao longo dos anos tem vindo consistentemente a aumentar e que em 2010 se situava nos 79,7%”, segundo dados da IP, divulgados esta sexta-feira.

Avaliada numa escala de 0 a 5, em que 0 representa o estado de conservação ‘Muito Bom’ e o 5 aponta para a necessidade de execução de uma intervenção no espaço máximo de dois anos, “o resultado da campanha de inspeções efetuado em 2016 aponta o nível médio de conservação das estruturas da IP como Bom - 1,68”.

A Infraestruturas de Portugal é responsável por 5.301 obras de arte que integram a rede rodoviária sob sua jurisdição direta.

A queda da Ponte Hintze Ribeiro, em Entre-os-Rios, no dia 4 de março de 2001, provocando a morte a 59 pessoas, deixou o país em choque e marca Castelo de Paiva 16 anos depois.