O número de pré-avisos de greve entregues até agosto aumentou em 33 face ao mesmo período do ano anterior, para 400, mostram dados da Direção-Geral do Emprego e das Relações do Trabalho (DGERT).

As estatísticas mensais relativas a agosto publicadas pela DGERT indicam que nos primeiros oito meses do ano foram entregues 400 pré-avisos de greve no Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, um aumento de 9% comparando com o período homólogo.

Apesar da subida, o número está longe do verificado no mesmo período de 2019, anterior à pandemia de covid-19, quando foram entregues 665 pré-avisos de greve.

Os dados da DGERT mostram ainda que, do total de pedidos entregues nos primeiros oito meses do ano, 297 ocorreram no setor privado e 103 no setor empresarial do Estado.

Tendo em conta apenas o mês de agosto, foram entregues 29 pré-avisos de greve, mais dez do que no mesmo mês de 2020, mas menos de metade face a julho (63).

Dos pré-avisos entrados em agosto, 25 eram referentes ao setor privado e quatro ao setor empresarial do Estado.

Os setores mais afetados foram os dos transportes e armazenagem, com 28% dos pré-avisos em agosto, seguido das indústrias transformadoras, com 24% do total de greves.

Agência Lusa / NM