A Presidência da República foi criminosamente invocada por um homem que se fez passar por assessor de Marcelo Rebelo de Sousa.

Alexandre Ferreira Alves, que começa a ser julgado a 9 de dezembro, está acusado pelo Ministério Público de sete crimes de abuso de designação, sinal ou uniforme e um de falsidade informática.

Fez-se passar por consultor do Presidente da República para angariar donativos junto de diversas pessoas e entidades.

Na acusação a que a TVI teve acesso, Alexandre Ferreira Alves dizia, ao telefone, ser um dos consultores da Casa Civil de Marcelo e usava mesmo o nome desse elemento do staff do Presidente.

Num dos contactos, no final de dezembro de 2017, telefonou diretamente ao presidente do Grupo Violas, que inclui a Solverve, dizendo que Marcelo estava a angariar donativos para ajudar à cirurgia de um queimado, pedindo cinco mil euros que devidam ser transferidos para uma conta bancária.

O episódio repetiu-se, desta vez para a Casa Ferreirinha, a quem pediu ajuda, através de Maria Leonor Freitas, para cirurgias de uma vítima queimada nos incêndios de Pedrógão Grande: mil euros seriam suficientes.