Portugal é o país da Europa onde mais se morre de Acidente Vascular Cerebral. A cada hora, três pessoas sofrem um AVC sendo que uma acaba por morrer. Mas existem estratégias para ajudar a detetar e a prevenir o AVC, descubra algumas delas.

A promoção da medição regular e o controlo da pressão arterial podem ser fundamentais para prevenir a doença, uma vez que 30% dos AVC podem ser prevenidos baixando a tensão arterial. Por isso, uma das principais recomendações da Direção-Geral de Saúde (DGS) é para que reduza o que coloca nos alimentos.

Deixar de fumar previne não só a probabilidade de ter um AVC, mas também de um vasto leque de outros problemas graves de saúde. O consumo de tabaco pode aumentar o risco de AVC em 35%.

A DGS alerta também para a importância do controlo da diabetes e do colesterol, bem como a prática de exercício físico. Apenas trinta minutos de exercício diário podem diminuir o risco de AVC em 20%.

A obesidade também aumenta o risco vascular, pelo que o controlo do peso é de extrema importância. Adicionalmente, verifique periodicamente se as suas pulsações cardíacas são rítmicas. A fibrilhação auricular é uma arritmia que aumenta o risco de AVC, e o risco diminui com a anticoagulação. 

Os depósitos das placas ateroscleróticas nas artérias carótidas são também uma importante causa de AVC. Discuta com o seu médico da necessidade de as detetar.

Saiba como detetar o AVC

Para o fazer, a DGS recomenda que aprenda a detetar os três Fs: Face, força e fala.

  • Face: peça à pessoa para sorrir. Um dos lados da cara está paralisado?
  • Força: peça à pessoa para levantar os braços. Um dos braços descai?
  • Fala: peça para que essa pessoa repita uma frase simples. As palavras saem “enroladas”?

Caso qualquer um destes sintomas seja detetado, deve contactar imediatamente o 112 e faça com que a pessoa seja transportada para a urgência hospitalar. O tempo é fundamental para conseguir salvar uma vítima de AVC.