Os militares da Guarda Nacional Republicana mostraram os perigos das “bombas de Carnaval” a um grupo de alunos da Escola Araújo Correia, em Peso da Régua. 

Um melão, uma laranja e um pé de porco, onde se introduziram estes pequenos engenhos, foram alguns dos objetos utilizados para demonstrar aos estudantes os possíveis efeitos da utilização das “bombinhas de Carnaval”.

A GNR avisa os estudantes de que as partes do corpo humano mais afetadas são as mãos, os dedos, a cabeça, os olhos e os ouvidos.

Entre os sustos e os aplausos, os estudantes “ficam com uma noção mais aproximada dos efeitos que os artigos pirotécnicos produzem, uma vez que conseguem ver a forma como a laranja ou outro artigo é destruído e conseguem ver qual é o efeito que aquilo produz, caso estivesse a ser manipulado nas nossas mãos e se rebentasse”, de acordo com primeiro-sargento Pedro Feliciano, chefe da Equipa de Inativação de Engenhos explosivos do Comandando Territorial de Vila Real.

Eduardo Costa, de 10 anos, admitiu que gostava “de experimentar” as bombas de carnaval “com segurança”

As ações preventivas vão continuar, um pouco por todos o país.

Miguel Cabral