"É caricato. Ainda bem que houve reclusos que ajudaram, mas deviam ter sido guardas", afirmou, explicando que os dois guardas que acompanhavam a refeição de cerca de 60 reclusos "eram os únicos elementos de vigilância no refeitório".