«Sabemos que o MEC irá estar fechado, não estará ninguém para nos receber. Contudo, já temos um documento que foi enviado para o ministério e para os vários partidos e esperamos que alguém nos oiça. Sabemos que não vai estar ninguém, mas nós vamos estar lá para nos fazermos ouvir», disse à Lusa a professora Alice Maurício, da organização do protesto.


«Há colegas que não vão vincular, porque este ano, por exemplo, não conseguiram horário completo devido à situação no início do ano letivo, com os atrasos na colocação de professores. São muitas as razões que levam os colegas a estarem desagradados com esta norma-travão» afirmou a professora à Lusa.