A Federação Nacional dos Profesores (Fenprof) anunciou esta sexta-feira que vai convocar uma ação nacional de luta para o próximo dia 17 de abril junto ao Centro Cultural de Belém para "exigir diálogo e soluções para os professores".

A Fenprof queixa-se da falta de resposta aos "processos negociais" por parte do Ministério da Educação, o qual acusa de ter uma "insignificância dentro do próprio Governo" e lamentou não haver "vontade política" para negociar.

Em conferência de imprensa, Mário Nogueira diz que todas as regras de segurança serão cumpridas, mas que o objetivo é que haja uma "iniciativa muito representativa das escolas todas".

Os horários, o rejuvenescimento do corpo docente, a pré-reforma e aposentação dos professores, o regime de concursos, matéria de segurança e saúde no trabalho relacionada com ensino presencial ou a progressão ao 5.º e 7.º escalões da carreira são alguns dos assuntos que a Fenprof pretende ver resolvidos.

O secretário-geral da Fenprof revelou ainda que vai entregar na Assembleia da República, no próximo dia 23, uma petição contra a municipalização.

As despesas associadas ao teletrabalho, nomeadamente com a aquisição de equipamentos por parte dos docentes, é outra das preocupações da Fenprof, que vai “continuar a diligenciar e agir” nesse sentido.

Lara Ferin