«Consideramos que a imposição dirigida aos professores que venham a ser classificadores dos exames de Cambridge, de prestar provas perante essa instituição sobre o seu nível de proficiência, é uma desconsideração para com os docentes em causa e um desrespeito pelas instituições de ensino superior que avaliaram e certificaram estes docentes», defende a FNE em comunicado.




«Pelos motivos acima expostos, e face a uma ausência de resposta por parte do MEC ao nosso pedido de reunião, consideramos oportuno avançar para a greve», declarou a federação sindical.