A Câmara Municipal de Lisboa fez mais de 40 ajustes diretos, num valor superior a um milhão de euros, a uma empresa que está a ser investigada pelo Ministério Público. A Tanagra é uma empresa de construção e trabalha com um falso engenheiro.

Fernando Medina sabe de tudo, mas mantém, mesmo assim, contratos para obras públicas com esta empresa que está sob suspeita. Em causa, poderão estar os crimes de falsificação de documentos e usurpação de funções.

O falso engenheiro não cumpriu por exemplo uma obra numa piscina na Penha de França, paga em parceria entre a autarquia liderada por Fernando Medina e o clube Estrelas São João de Brito, colocando em causa o despedimento de funcionários e de atletas, incluindo uma atleta olímpica.