O fundo REVITA, que gere os donativos dos portugueses para a reconstrução das casas em Pedrógão Grande, suspendeu o pagamento aos construtores.

A decisão surge na sequência das suspeitas denunciadas pela TVI, numa altura em que foi constituído mais um arguido neste processo: Bruno Gomes, ex-vereador da Câmara de Pedrógão e que esteve no gabinete responsável pelas reconstruções.

Mas há mais sobressaltos em Pedrógão Grande.

Dois anos depois dos trágicos incêndios, o concelho continua a não estar preparado. Não houve limpeza nas estradas e até os cabos elétricos continuam a passar no meio da floresta.

Dois anos depois há também quem não tenha recebido a totalidade das indemnizações.

O primeiro-ministro confirma que há ainda quatro feridos que não receberam a totalidade das indemnizações, mas garante que o Ministério das Finanças irá pagar nos próximos dias as indemnizações devidas a duas dessas vítimas. As outras duas ainda não receberam porque os processos ainda estão em análise na Provedoria de Justiça.

Também a Provedoria de Justiça confirma que recebeu várias queixas de atrasos nos pagamentos e que terá mesmo contactado o gabinete de António Costa, que lhe terá dito que essas indemnizações estariam a ser pagas.