Milhares de portugueses continuam à espera que medicamentos que só podem ser comprados nas farmácias hospitalares possam ser vendidos em farmácias perto de casa. Muitos desses doentes têm que percorrer centenas de quilómetros para terem acesso a medicação que não têm substitutos.

Há três anos, o Governo pôs em prática um projeto piloto que abrangia doentes com sida. A experiência foi um sucesso e a ideia era alargar este projeto aos doentes oncológicos, abrindo posteriormente a porta a outro tipo de doenças. Ficou tudo no papel, mas não passou à prática.

Os relatos são preocupantes. Há doentes que por isso mesmo, deixaram de tomar a medicação.

Tentámos ouvir a Ministra da Saúde que declinou o convite dizendo " não ter margem para uma entrevista nesta altura", remetendo o assunto para o Infarmed que também recusou prestar quaisquer esclarecimentos.