O Hospital de Cascais deu alta a uma mulher de 83 anos com um buraco de 36 cm nas costas, sem sequer limpar a ferida envolvida já com tecido morto.

É considerado um hospital de excelência, mas foi daqui que Idalina saiu com uma úlcera de último grau.

Há um ano que Helena, a filha, trava uma batalha colossal. A professora de 59 anos está de baixa desde então e mudou-se para casa da mãe, sendo a sua principal cuidadora.

Tudo aconteceu em abril de 2018, quando a idosa, com um historial de demência e semi-acamada, deu entrada no Hospital de Cascais. Era a segunda vez num espaço de dias. Apresentava febre, uma infeção urinária e falta de apetite, a filha alertou para os cuidados a ter com uma úlcera de pressão, uma ferida que tinha no fundo das costas.

Doze dias depois de ter entrado, Idalina saiu do hospital em condições difíceis de acreditar.

A nota de alta encaminha a doente para os cuidados do centro de saúde, aconselha o tratamento da úlcera de pressão e reconhece que os danos são extensos: “Perda total da pele com destruição extensa, necrose tecidular ou dano muscular, ósseo ou das estruturas de apoio.”

Mesmo assim a paciente recebeu alta hospitalar.

Mas os episódios insólitos neste internamento em Cascais são de toda a espécie, difíceis de imaginar, sobretudo num hospital considerado de topo.

Na unidade privada para onde foi levada após o incidente no hospital público, Idalina chegou a receber a extrema-unção, mas teve alta para morrer em casa. A ferida estava melhor mas ninguém acreditava que sobrevivesse.