A Marinha portuguesa fez um contrato de ajuste direto com uma empresa que está a ser julgada por suspeitas de corrupção.

Em causa está um contrato no valor de mais de 200 mil euros para a compra de bacalhau, já depois de a Marinha saber que a PAC & BOM, assim se chama a empresa, é suspeita de ter lesado o próprio Estado.

O contrato foi assinado a 8 de fevereiro deste ano e a empresa acusada em 2017, tendo o julgamento começado há dois meses.

O esquema que está a ser julgado, passava pelo conluio entre empresas contratadas pelo Estado, generais, coronéis e sargentos, através da sobrefaturação de messes geridas com dinheiros públicos.

Há muito que as suspeitas são conhecidas, mas, mesmo assim, a Marinha decidiu dar de mão beijada a esta empresa, que tinha sido excluída no concurso público, um contrato legalmente possível, mas eticamente reprovável.

Entre os vários institutos e organismos do Estado que mais contratam a PAC & BOM constam, no topo da lista, o Ministério da Educação, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, a INATEL e a PSP.

A TVI tentou ouvir a PSP, que, tal como a Marinha, fez um contrato de ajuste direto com a PAC & BOM, já depois de saber que esta empresa é suspeita de corrupção, mas a polícia não mostrou disponibilidade para qualquer entrevista.

Por escrito, confirma o ajuste direto no valor de 142 mil euros, argumentando com questões de urgência e de interesse público, já que esta seria a única empresa capaz de assegurar no imediato alimentação à Escola Prática de Polícia e ao Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna.

Solicitámos, igualmente, uma entrevista ao dono da empresa em questão, arguido no processo que está em julgamento, Paulo Lobato Silva, que respondeu, por escrito, dizendo estar inocente e que "tem exercido a sua atividade comercial com normalidade, aguardando a conclusão do julgamento".