As zonas mais castigadas pelos incêndios de 2017 estão sem SIRESP, o sistema de emergência e segurança de Portugal.

Uma equipa da TVI esteve em Pedrógão Grande, Figueiró do Vinhos, Pinhal de Leiria e Monchique e confirmou que nada foi feito.

Há zonas onde a rede simplemente não funciona e noutras a área sem cobertura chega a ser entre 30 a 40%.

O Governo diz que os portugueses podem confiar no SIRESP, mas a realidade encontrada no terreno foi outra.

Dois anos depois dos trágicos incêndios de junho e outubro de 2017 nada foi feito.

O SIRESP é um negócio de milhões, adjudicado por António Costa, à época ministro da Administração Interna, que, desde essa altura, nunca funcionou e em que o Estado foi sempre lesado.

Ou seja, têm sido os contribuintes a pagar uma fatura cada vez mais elevada por uma rede de segurança que não funciona quando é mais precisa.