Pode acontecer a qualquer um de nós. Imagine uma dívida de dois mil euros em portagens que não contraiu e que num espaço de apenas oito meses se transformou em 120 mil euros. O que se segue é uma vida em suspenso com todos os bens penhorados pelo Fisco.

O caso apresentado hoje não é único: há vários de cidadãos portugueses que se sentem espoliados por empresas concessionárias de auto-estradas.

A lei é do tempo do governo Sócrates e está a revelar-se uma mina para o Estado, mas também para as concessionárias das autoestradas, tudo à custa da ruína de milhares de portugueses.

Tentámos ouvir a Autoridade Tributária, o Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos, a Via Verde, a Brisa, mas todos declinaram o convite.