«Não conseguimos dormir. Ainda na noite passada voltei a acordar», contou à agência Lusa um representante dos residentes que preferiu manter o anonimato, assim como os restantes moradores.



«Às vezes, durante a semana, queremos ir ao talho às 12:30 e temos de pedir licença [às prostitutas] para passar. Quando há atividades no Parque Eduardo VII também estão sempre lá».

«Trazem as prostitutas e a droga»

«Temos receio de que o bairro, localizado numa zona nobre, se torne no velho Casal Ventoso da droga e no velho Intendente da prostituição, à vista de toda a gente», revelaram.

âncora


«nunca houve problemas

O vereador da Segurança, Carlos Castro, disse apenas que a situação «está a ser acompanhada de perto e com a máxima atenção» por parte da Câmara, numa resposta escrita enviada à agência Lusa.

não são competências

aflige, de facto, os moradores daquela zona da cidadeuma zona de trânsito condicionado a 30 quilómetros/hora, que dificulte práticas ruidosas».

Já o comandante da Polícia Municipal, André Gomes, reconheceu que «tirar prostitutas da rua é uma coisa dificílima» e informou que se tem optado por fazer um «patrulhamento preventivo» na zona.


«em negociações»

 esperança dos moradores é de que a situação esteja resolvida «até ao final do ano».