Dezasseis dos 20 detidos pela PSP que estavam envolvidos num esquema para vender calçado de marca falsa na internet ficaram em prisão preventiva, refere a polícia em comunicado.

Na quarta-feira, a PSP deteve, na zona de Leiria, 20 pessoas, na sua maioria marroquinos, indiciados dos crimes burla, branqueamento de capitais, corrupção passiva e ativa, falsificação de documentos e associação criminosa.

Segundo a PSP, esta organização criava páginas na rede social Facebook para promover e anunciar a venda de calçado de marca, a preço de saldo ou outlet e referia que se tratava de calçado importado, sendo por isso mais barato que nas lojas das marcas e respetivos representantes.

Contactada pelos ofendidos e concretizado o negócio, esta organização enviava o calçado “sem qualquer marca distintiva e não correspondente ao que se haviam comprometido a vender e que foram pagos”, explica a PSP, adiantando que as encomendas eram expedidas através de apartados dos CTT e levantadas mediante o pagamento.

De acordo com a polícia, já foram identificados entre 1.300 a 1.400 vítimas, tendo esta organização obtido proveitos que ascendem a cerca de quatro milhões de euros.

A Procuradoria-geral distrital de Lisboa indica que, no total, e até ao momento, estão em investigação 134 páginas da internet criadas pelos arguidos.

Além destes detidos, a PSP avança que já foram identificados e constituídos 40 outros arguidos, prevendo que se ultrapasse a centena ao longo da investigação.

Nesse sentido e ciente da dimensão do fenómeno e do elevado número de vítimas deste tipo de burla, a Polícia de Segurança Pública lançou nas redes sociais várias campanhas de prevenção alertando as pessoas para o risco ligados a este tipo de atividades.

O inquérito é dirigido pelo Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa.