Nove pessoas foram detidas, esta segunda-feira, em Calendário, Famalicão, por suspeita de envolvimento numa vaga de assaltos registada nos últimos dias no concelho, sabe a TVI24.

Os suspeitos “atuavam em grupo e de forma organizada” e “eram praticamente todos familiares entre si”, revelou a PSP.

Em conferência de imprensa, o chefe do Núcleo de Investigação Criminal da PSP de Famalicão, Dennis da Cruz, acrescentou que os nove detidos são “praticamente todos familiares entre si”, sendo dois deles menores, com 15 e 16 anos.

“Atuavam em grupo e de forma organizada, sempre de noite, em locais que sabiam não terem alarme. Tinham alvos bem definidos e o arrombamento era o método utilizado”, referiu.

A investigação durava há cerca de três meses e culminou hoje, com o cumprimento de dez mandados, nove dos quais em Famalicão, mais concretamente nas freguesias de Calendário, Pelhe, Delães e Lousado.

A outra busca decorreu na cidade de Guimarães.

Na operação, foi apreendido diverso material furtado, como LCD, relógios, computadores, chocolates e bolachas.

Foram ainda apreendidos equipamentos do FC Porto, já que a loja deste clube em Famalicão foi um dos alvos.

A PSP apreendeu igualmente armas de fogo e armas brancas e 352 doses de haxixe.

Um dos suspeitos foi detido por tráfico de estupefacientes, mas, segundo Dennis da Cruz, “poderá estar igualmente envolvido” nos assaltos.

Os detidos de 15 e 16 anos vão ser ouvidos no Tribunal de Família e Menores de Famalicão, enquanto os restantes serão apresentados no Tribunal Judicial da mesma comarca.

“São indivíduos com antecedentes policiais”, referiu Dennis da Cruz, sublinhando que as câmaras de videovigilância foram “importantes” na investigação e identificação dos suspeitos.

O mais velho dos detidos tem 48 anos.

A Associação Comercial e Industrial de Vila Nova de Famalicão já tinha manifestado, em comunicado, preocupação pela vaga de assaltos, considerando que estava a colocar em causa a atividade económica dos seus associados e dos comerciantes em geral.

No comunicado, a associação sublinhava a necessidade de serem tomadas “todas as medidas” para garantir “a máxima segurança possível” aos famalicenses”.

A associação foi alvo de uma tentativa de assalto em finais de janeiro.