Sete pessoas foram detidas numa operação da PSP em vários distritos e que envolve a prática dos crimes de furto e recetação de catalisadores e branqueamento de capitais, disse à Lusa fonte da PSP.

Segundo a mesma fonte, a operação inclui meia centena de locais de busca e até às 11:00 tinham sido detidas cinco pessoas em cumprimento de mandatos de detenção, uma em flagrante delito e outra por suspeita de tráfico de droga.

As detenções foram resultado de 11 buscas domiciliárias e 16 não domiciliárias, que permitiram ainda a “apreensão de várias dezenas de catalisadores, 400 euros em dinheiro, dois motores e outros componentes de viaturas furtadas, uma arma de fogo, ferramentas utilizadas nos furtos, e bidões contendo 250 litros de gasóleo suspeito de serem também provenientes de furtos”.

Foram ainda apreendidas quantidades consideráveis de combustível, que nos sugerem que os suspeitos para além desta atividade criminosa se dedicavam também ao furto de combustível”, acrescentou a fonte da PSP.

A Operação Carbono decorreu em simultâneo nos distritos de Santarém, Porto, Leiria e Coimbra e visou residências de suspeitos dos furtos, sucateiras e outros locais "referenciados durante as investigações por comercializarem ilicitamente esses componentes, sob a forma de resíduos, provenientes de furtos das viaturas", referiu a PSP.

A operação decorreu de vários inquéritos, sob orientação do Mistério Público das respetivas comarcas e com a colaboração da Agência Portuguesa do Ambiente.

Desde o início de 2020, altura em que se verificaram as primeiras ocorrências, a PSP registou cerca de 2.600 furtos de catalisadores em todo o território nacional e uma aceleração deste tipo de crimes desde o início do desconfinamento", acrescentou a nota.

Agência Lusa / HCL