A Procuradoria Geral da República (PGR) anunciou, esta segunda-feira à noite, a abertura de um inquérito aos incidentes do bairro da Jamaica, no Seixal, no último domingo. O inquérito fica à responsabilidade do Ministério Público do Seixal.

Em comunicado, a PGR assegura que “no âmbito desse processo serão investigados todos os factos que cheguem ao conhecimento do Ministério Público, incluindo os relacionados com a atuação policial” e adianta que decorrem, neste momento, “diligências de recolha de prova”.

Na sequência dos incidentes foi efetuada uma detenção, por resistência e coação sobre funcionário. Este detido foi sujeito a primeiro interrogatório não judicial, tendo ficado com termo de identidade e residência”, avança ainda a PGR no comunicado.

Um vídeo divulgado nas redes sociais mostra vários agentes da PSP da Esquadra da Cruz de Pau envolvidos em confrontos, no domingo de manhã, com vários indivíduos no Bairro da Jamaica, no Seixal. No vídeo, os agentes são acusados de racismo e de agredirem uma jovem e a mãe desta por causa da cor de pele.

Em comunicado, a PSP revela que foram chamados ao local por causa de uma "desordem entre vários indivíduos do sexo feminino" e que quando os agentes chegaram ao local foram recebidos por indivíduos que "arremessaram pedras".

Os incidentes de domingo deram origem à detenção de uma homem de 31 anos. O detido queixa-se de ter sido agredido de forma gratuita pela polícia, já na esquadra. A família refere que o homem foi levado às 08:00, mas só deu entrada no hospital às 11:00. Os moradores estão revoltados e queixam-se da sistemática violência policial.

Quatro pessoas foram detidas, já esta segunda-feira, na sequência de confrontos entre a polícia e manifestantes oriundos do Bairro da Jamaica, que protestaram esta segunda-feira contra a intervenção policial ocorrida domingo naquele bairro do Seixal.

Segundo informações obtidas pela TVI24 junto de fonte da PSP, os confrontos ocorreram em plena avenida da Liberdade, após a concentração que cerca de uma centena de moradores do Bairro da Jamaica levou a cabo frente ao Ministério da Administração Interna, na Praça do Comércio.

Agentes da polícia que tentaram evitar a marcha dos manifestantes pelo centro da avenida da Liberdade terão sido apedrejados, segundo as informações obtidas pela TVI24.

O porta-voz da PSP revelou posteriormente que, em consequência dos incidentes, se registaram “polícias feridos, mas tudo ligeiros”, que não necessitaram de receber assistência hospitalar.

Em resposta aos manifestantes, o comissário Tiago Garcia confirmou que “foram feitos disparos com bagos de borracha para o ar, como forma de advertência”.

Diversas viaturas ficaram “danificadas, devido às pedras” e aos petardos, incluindo um veículo da PSP.

IGAI também está a acompanhar o caso

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) indicou esta terça-feira que está a acompanhar e a monitorizar o inquérito aberto pela PSP para apurar eventuais responsabilidades sobre a intervenção policial no Bairro da Jamaica, concelho do Seixal.

A IGAI abriu um processo de acompanhamento e monitorização do processo de inquérito aberto pela PSP”, refere aquele organismo liderado pela juíza Margarida Blasco, numa resposta enviada à agência Lusa.